COMO ELIMINAR ALGAS FILAMENTOSAS

Como eliminar algas filamentosas

Como eliminar algas filamentosas

COMO ELIMINAR ALGAS FILAMENTOSAS

Aqui um resumo bem legal para quem esta tendo problemas com algas filamentosas, embora haja vários tipos de algas, vou expor as principais causas que fazem o surgimento das algas filamentosas comum a todas as espécies, ou pelo menos aquelas que não queremos em nosso aquário.



Levando-se em consideração que o aquário já passou pela fase da ciclagem, o que é comum algas filamentosas neste período, e que os parâmetros já estão estáveis. Lembrando que estamos tratando de aquário marinho, com corais, peixes e outros invertebrados. Acredito que muitas dicas abaixo também sirvam para água doce.

Vou começar por um item que talvez esteja passando sem você notar, que é a água de reposição. Verifique se os filtros (carvão, resina, etc.) não estão vencidos e se não estão deixando passar fosfatos. Água de osmose reversa ou deionizada tem que estar zerada de impurezas, minerais, etc. Lembrando que até o carvão utilizado no filtro pode estar distribuindo fosfato na água. Então se você nunca fez um teste de fosfato na água de reposição e as algas filamentosas começaram a aparecer faça um teste para tirar dúvidas.

Dica: Quando você comprar um carvão ativado, antes de usa-lo deixe-o submerso em água DI ou RO por uma semana ou mais para que todo o fosfato seja removido.

Verifique as lâmpadas do aquário, se já ultrapassaram seis meses (para as tubulares) está na hora de trocar. As algas filamentosas se proliferam em iluminação fraca. É bom ter lâmpadas Led que ultrapassam 10.000 Kelvin. Note que não estou falando de luminosidade e sim da capacidade de penetração da luz (Temperatura de cor). O fotoperíodo de um aquário marinho é entre 10 a 12 horas, se for menos intensa pode ser um período maior; se for mais intensa basta um período menor. Fotoperíodo curto exige uma iluminação mais potente.

Se você esta pensando em diminuir a luminosidade, será um erro, se a iluminação esta perfeita, lâmpadas com 10.000 Kelvins ou mais e esta surgindo algas filamentosas então o problema não é na iluminação e sim na água. Vamos ver mais abaixo. Lembrando que as zooxantelas tiram melhor proveito da luz na cor azul para a fotossíntese, nutrindo os corais. Já Leds vermelhos contribuem para o crescimento de algas filamentosas, mas pode ter o mínimo possível.

Os corais SPS e até os LPS gostam de “forte” iluminação, então por que diminuir? Vamos ver a água e como eliminar algas filamentosas:

Talvez seja o fosfato (PO4) que esta causando o surgimento de algas filamentosas. Ele vem através da comida que você oferece aos peixes, corais e invertebrados do aquário. Acredito que você tem um bom Skimmer e outras mídias filtrantes que retira o excesso de matéria orgânica da água. Então você está colocando comida demais… Não alimente a equipe de limpeza, deixe eles irem à captura, com isto vão limpando o substrato. Se as bactérias não estão dando conta, compre uma ampola de bactérias encontradas em lojas de aquarismo, elas irão consumir o fosfato e o nitrato (NO3) da água, mas diminua a quantidade de comida oferecida, não deixe o fosfato progredir. Faça uma boa troca de água, cerca de 30% semanal. Lembre-se que isto é uma emergência, as algas filamentosas estão lá. É preciso diminuir a quantidade de nutrientes, diminua a quantidade de comida oferecida aos peixes.

É importante saber que o nível de fosfato encontrado nos oceanos é de 0,03 mg/litro no máximo. Com o passar do tempo o fosfato fica “escondido”, ele se mistura ao cálcio, bicarbonatos, carbonatos de cálcio e magnésio, ficando calcificado, não sendo mais detectável aos testes. Se houver uma queda no PH este fosfato irá se desprender e ficará livre na coluna d’água, em consequência algas filamentosas irão surgir aos montes. Para que isto não venha acontecer é necessário manter o “efeito tampão” nos níveis ideais, ou seja KH entre 8 a 12, o meio termo seria 10 que é ótimo. Eu utilizo Bicarbonato de Sódio P.A. para este fim. Deixo o PH em 8.2.

Mais peixes, mais alimentação, mais dejetos, mais corais, mais nutrientes, suplementos, guerra química, ufa! por isto sei que é preciso um bom Skimmer e outras mídias filtrantes para exportar tudo isto, mas chega um dia em que a água já esta saturada é preciso fazer uma troca parcial, e é ai que o aquarista deve verificar, o tempo que levou para esta troca e tornar hábito, seja semanal, quinzenal ou mensal. Isto vai depender do numero de habitantes do aquário e outros fatores, portanto o aquarista deve ficar atento a este detalhe e tornar uma rotina estas trocas de água, somente assim vai evitar o surgimento de algas filamentosas bem como outros problemas.

Se você já fez tudo isto e não conseguiu eliminar as algas filamentosas faça um teste de silicato, talvez o problema esteja aí, sua água de reposição esta deixando passar silicatos. Para resolver, troque a resina ou a marca, também pode acrescentar outro estágio de filtragem.

Também existem maneiras emergenciais para eliminar algas filamentosas, mas são temporárias, tais como: Sifonar o substrato; aumentar a circulação d’água; carvão ativado; apagão; vodka e até mesmo comprar algum removedor de fosfato. Muitos aquaristas também obtiveram sucesso aumentando o nível de magnésio para 1600 ppm.



Para alimento de corais, peixes, invertebrados Clic Aqui.

Para comida de peixes marinhos granulada Clic Aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.