INVASÃO DE CORAIS

Invasão de Corais

INVASÃO DE CORAIS

Não perca esta novidade! Economize muito em suas compras Clic Aqui
Invasão de Corais

CORAIS ASSASSINOS

Visite nossa Loja Preços incríveis Clic Aqui

O coral Sol, originário do Oceano Indico-Pacífico (do mesmo grupo das águas-vivas e anêmonas), se reproduz 2 à 3 vezes mais rápido que outras espécies nativas do Brasil, de forma assexuada e sua proliferação faz com que toda vida marinha ao seu redor desapareça, pois domina o ambiente expulsando os outros corais nativos em busca de mais território. Este coral impede os corais brasileiros na construção de recifes. Cada colônia do Coral pode expelir cerca de 5 mil larvas, este coral não faz simbiose com as algas zooxantelas (veja página sobre estas algas). A invasão de corais é um caso grave que requer atenção das autoridades competentes.

Não havendo um ecossistema correto afugenta os peixes, mexilhões e outros, pois estes se alimentam nos recifes de corais, também pondo em risco as atividades pesqueiras.

Pescadores também podem colaborar para a retirada do Coral, no entanto precisam de treinamentos e qualificações. Precisam usar de tecnologia para a retirada dos corais sem causar danos ao meio ambiente.

Este coral é uma das maiores ameaças aos ecossistemas costeiros do Brasil, pois como citado ele domina o território de corais, esponjas e algas haja visto que no Brasil as espécies encontradas são bem menores e perdem na competição por espaço.

Diz-se que o Coral-Sol foi trazido à Baía de Ilha Grande na década de 1980 por plataformas de petróleo. Os navios cargueiros e plataformas principalmente, que ficam muito tempo parados para perfuração em busca de petróleo e gás, trazem incrustados os corais em seus cascos.

Não há uma regulamentação sobre bioincrustação, que é o transporte de organismos marinhos para águas de outros países. Os navios transatlânticos também são uma ameaça à este tipo de “bioinvasão”.

O Ministério Público Federal investiga esta invasão tendo como foco plataformas de petróleo e gás pedidas pela Petrobrás. Estas embarcações teriam passado pelo Estaleiro Brasfels (Em Angra dos Reis) e trazido os corais assassinos consigo.

Segundo o Ministério Público Federal a contaminação do Coral Sol já teria se espalhado na costa de Paraty, Angra dos Reis, Rio de Janeiro, Mangaratiba, Arraial do Cabo e Búzios.

Na reunião realizada pelo MPF em 28/04/2014 teve êxito no sentido de alertar aos participantes quanto à dimensão do problema, no entanto não houve avanço para a solução do problema, não houve atributos de responsabilidades claras para os envolvidos na questão.

Outro ponto a ser resolvido é a questão do trafego de navios, plataformas e estruturas flutuantes, internacionais, que navegam em nossas águas, que trazem este coral de forma inevitável e involuntária, consequentemente piorando a situação, ou até mesmo trazendo outras espécies nocivas.

Este coral já invadiu costões de rochas no Rio de Janeiro (Ilha Grande) e São Paulo (Ilhabela).

A Pró-mar começou a monitorar os recifes de coral da Ilha de Itaparica (na Baía de Todos-os-Santos) em 2006 e atualmente tem ampliado os estudos para outros locais, além das ilhas de Tinharé e Boipeba, no baixo sul da Bahia.

Inclusive este órgão já removeu grande parte dos corais na Baía de Todos-os-Santos, na costa leste da Ilha de Itaparica e a 12 km de Salvador via mar. Sua remoção foi com uso de talhadeiras e marretas. Biólogos, pescadores e ambientalistas participaram do evento.

O trabalho realizado foi a remoção da colônia do coral por inteiro, caso contrário o coral libera larvas de imediato, provocando mais sua proliferação.

A Pró Mar precisa de ajuda, pois toda a remoção promovida são com seus próprios recursos. Empresas (privadas também) deveriam se interessar e colaborar para esta tarefa, principalmente a Petrobrás, empresa que supostamente tem grande responsabilidade no caso, pois estudos apontam que os corais foram trazidos por plataformas de petróleo do Golfo do México.

Em Santa Catarina a invasão está controlada, haja visto que foi detectado sua presença em estágios iniciais com colônias ainda pequenas e de fácil remoção, são colônias que não atingiram a idade reprodutiva (1 ano e meio).

Mesmo com a retirada de quase 600 colônias nos costões da Ilha do Arvoredo (parte limítrofe à Reserva Marinha Biológica do Arvoredo), os pesquisadores do Projeto ainda encontram o coral-sol, que se regenera nos mesmos locais de onde foi removido. Para efeito de comparação, no RJ já foram removidas mais de 200 mil colônias.

Desde 2006, é desenvolvido um estudo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) a respeito, porque o animal marinho começou a causar necrose no coral-cérebro da espécie Mussismilia hispida, nativo e endêmico no Brasil, na baía da Ilha Grande, que serve de abrigo para outros animais invertebrados marinhos. Só nesta região, o Projeto Coral-Sol removeu aproximadamente 200 mil colônias, no decorrer dos últimos anos.

No começo de 2012, o Coral-Sol foi encontrado em fase inicial de invasão, na Ilha de Arvoredo, a 10 quilômetros ao norte de Florianópolis (SC), e mais recentemente no Espírito Santo e na Bahia. Em abril de 2012, cerca de 300 colônias foram removidas em SC.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) com apoio da equipe do Departamento de Ecologia e Zoologia da Universidade Federal de Santa Catarina, alunos de mestrado e da graduação, fez uma excursão para remover aproximadamente 50 colônias do coral-sol na costa da Ilha do Arvoredo, ao norte da Ilha de Santa Catarina. A excursão teve como objetivo impedir que o coral originário do oceano índico e do pacífico se fixe definitivamente na região.

Mergulhadores disseram que a proliferação do Coral Sol nos estados do sudeste está bem avançada. O Projeto Coral Sol trabalha no monitoramento e estudos.

Ainda não se tem notícia de algum predador natural do Coral Sol, mas há indícios que uma espécie de esponja nativa possa sufoca-lo, no entanto estudos estão sendo feitos, portanto ainda há incertezas no assunto.

O projeto Coral-Sol já identificou muitas espécies de invasores.
Em Santa Catarina detectou-se outra espécie exótica, Ophiothela mirabilis, semelhante a uma estrela-do-mar, que anteriormente não havia sido registrada no estado.

O que mais se teme é que o Coral invasor chegue ao Arquipélago de Abrolhos, onde estão localizados os maiores e mais ricos complexos recifes de coral de todo Atlântico Sul, inclusive o Coral Cérebro que só existe no Brasil.

No Parque também se encontram todas as espécies de corais brasileiros.

Após 2014 não tenho mais alguma notícia sobre o caso dos corais invasores, se você souber de algo colabore, é só comentar.




Você pode comprar produtos para aquário “mais em conta” na loja: Comida de Corais
Ou se preferir no Mercado Livre: Comida de Corais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.