RODOLITOS

Rodolitos

Rodolitos

RODOLITOS



São as algas calcárias de várias espécies que formam os Rodolitos, num formato esférico, com muitas saliências (buracos) na qual abriga peixes, crustáceos e invertebrados, deixando o fundo do oceano rochoso, porém não se fixam no solo, rolam levados pelas correntes marinhas e podem ser extraídos facilmente.Para nós aquaristas, Rodolitos seria a forma ideal para se montar ou ter em nossos aquários, conhecidas por “Rochas Vivas“, abrigam grandes quantidades de microscópicos seres, algas, bactérias, microinvertebrados, etc.

Estas esferas são duras, porosas e de tamanhos variados, entre 5 a 14 centímetros, e de diversas cores. Vão crescendo na proporção em que o carbonato de cálcio se fixa sobre seus esqueletos, isto é, as algas vão mineralizando sobre sua superfície formando o carbonato de cálcio. Semelhante ao crescimento de corais duros, ou na formação de recifes de corais.

Originam-se por depósito de calcário através das microscópicas algas vermelhas que vivem na superfície destes nódulos esféricos, aglomerando-se uma sobre as outras, crescendo por volta de 1 milímetro por ano.

Estes nódulos começam a surgir quando estas algas envolvem um grão de areia, um pedaço de concha ou de um coral, etc.

Na região de Abrolhos, que se estende da costa norte do Espírito Santo ao litoral sul da Bahia, os Rodolitos ocupam uma faixa de quase 21 mil quilômetros quadrados (quase metade da área total de Abrolhos) e após várias pesquisas calcula-se que esta faixa de algas calcárias levou por volta de 10 mil anos para se formar e trata-se do maior banco de Rodolitos do mundo. Os Rodolitos, nesta região, foram encontrados entre 20 e 110 metros de profundidade. Lembrando que Abrolhos ocupa destaque mundial pela diversidade de corais (veja matéria neste site), além de ser um dos principais locais de reprodução da baleia-jubarte no mundo.

Embora haja Rodolitos em todos os oceanos, os pesquisadores (brasileiros) ficaram surpreendidos pela extensão de Rodolitos em Abrolhos, utilizou-se de submarinos equipados com câmeras (robôs) para mapear a região. Também são importantes na formação de recifes de corais, pois estão sempre localizados próximos do continente, em águas rasas.

Como sabemos, para a formação do carbonato de cálcio é necessário a absorção do gás carbônico, desta forma os Rodolitos tem papel importante na regulação da concentração de carbono na atmosfera.

Os Rodolitos formam um ecossistema e agregam biodiversidade, pois o calcário produzido por estas algas vai dar origem à carapaça de crustáceos, moluscos, inclusive corais.

Os recifes de Abrolhos, conjuntamente com o banco de rodolitos produzem 25 milhões de toneladas de calcário por ano, e tem um importante papel na regulação da concentração de carbono na atmosfera, mas sobre ameaças:

Dos 46 mil quilômetros quadrados do banco de Abrolhos, só 2% estão protegidos por unidades de conservação.

Acidificação: Em consequência da elevação dos níveis de CO2 na atmosfera, causado principalmente por queima de combustíveis fósseis. 1/3 do carbono emitido por atividades humanas vai para atmosfera e é absorvido pelos oceanos causando lentamente, a queda do PH, consequentemente reduzindo a calcificação de recifes, atóis e de todos os seres marinhos dependentes.

A acidificação dos oceanos parece ser a principal ameaça.

Aquecimento Global: A elevação da temperatura também causa aumento do CO2 na atmosfera, e ao entrar em contato com os oceanos, ele aumenta os níveis de acidez da água.

Exploração: Rodolitos, como citado, são fáceis de coletar, utilizando-se bombas de sucção, empresas usam como fonte mineral, pois além de calcário, eles possuem quantidades variáveis de outros elementos químicos (ferro, manganês, bromo, níquel, cobre, zinco e molibdênio) usados na agricultura, na construção civil, de cosméticos, na nutrição animal, no tratamento da água e outras. A exploração de calcário na região é inviável.

Também é necessário adotar um rigoroso critério para conservação das bacias hidrográficas, pois além dos Rodolitos todos os seres aquáticos são sensíveis à qualidade da água. A degradação dos Rodolitos causaria a emissão de enormes quantidades de carbono para o meio ambiente, sem contar o estrago no complexo ecossistema que abriga esta área, toda biota seria afetada, inclusive os recifes de corais.

Perigo: Abrolhos, segundo sites da internet, faz parte dos planos de exploração de petróleo na região.

É preciso, com urgência, que autoridades providenciem um plano de preservação de Abrolhos, um tesouro nacional.



Para alimento de corais, peixes, invertebrados e MUITO MAIS Clic Aqui.