TRIDACNA

Tridacna

Tridacna

TRIDACNA



Se você tem um aquário marinho com peixes e corais, assim que tiver uma chance não deixe de colocar uma Tridacna, um molusco. Existem várias espécies, tais como: Tridacna Crocea; Tridacna Maxima; Tridacna Gigas; Tridacna Derasa; Tridacna Squamosa e muitas outras. A Tridacna Maxima é a maior, você encontra em lojas de aquarismo entre 6 a 15 cm, mas nos oceanos podem chegar aos 30 cm. Destes moluscos gigantes a mais fácil de encontrar em lojas de aquarismo é a Tridacna Maxima e a Squamosa é a mais resistente. Evite comprar uma Tridacna muito pequena, ela ainda será muito sensível ao transporte, manuseio e aclimatação.

Tridacna é um gênero de mexilhões, molusco bivalve de água salgada da subfamília Tridacninae, de mexilhões gigantes. Eles possuem conchas pesadas, e manto, também chamado de lábios, possuem as mais variadas e exuberantes cores. Elas habitam águas rasas e quentes dos recifes de coral. São animais filtradores.

Estes tridacnídeos, como são chamados, apresentam uma variedade de cores, que podem ser listradas, manchadas, marmoreadas, enfim vários padrões de tipos de cores que fascinam o espectador. Embora haja pequenas diferenças entre as espécies é difícil sua correta identificação.

Para ter uma Tridacna no aquário basta ter os parâmetros ideais para corais duros LPS. Ela também irá absorver cálcio, magnésio, e também quase tudo que os corais necessitam.

É importante a aclimatação, principalmente no que tange a iluminação. Deixar ela no fundo do aquário, menos no substrato, em local com menos iluminação e ir graduando até atingir o ponto máximo de luz. Não se pode colocar, de imediato, a mais forte iluminação, o que poderia acarretar numa sobrecarga do processo fotossintético não dando tempo necessário para a Tridacna se adaptar.

Não se pode colocar uma Tridacna no substrato porque um grão de areia poderá entrar em sua concha prejudicando o animal. Coloque-a sobre uma pedra ou rocha.

Tridacnas Croceas e Maximas exigem mais luz do que as Squamosas e Derasas, mas ambas vão bem em local com pouca movimentação d’água em virtude de possuírem sifões que fazem circular a água dentro delas, porque são filtradoras. A Tridacna Maxima possui uma concha mais longa que a Tridacna Squamosa.

A Tridacna Derasa e a Squamosa são menos exigentes, se você pretende iniciar a criação de moluscos estas são indicadas.

Cada espécie de Tridacnas podem requerer diferentes graus de luminosidade e talvez seja diferente das que os corais prosperam. Algumas Tridacnas poderão crescer mais rápidas que outras, ficarem maiores, requerer menos luz que outras, enfim, tudo vem da genética, que também determinará o grau de defesa contra bactérias e outros. Pelo menos acho que isto acontece com todos os seres, mas no caso da Tridacna a mão do aquarista é o primeiro passo para o sucesso.

As Tridacnas também fazem simbiose com as micro algas zooxantelas, por isto requerem luz (igual os corais), também ocorre o branqueamento se expulsar as zooxantelas mais muito difícil de acontecer se os parâmetros estiverem corretos. Se a iluminação estiver correta e não esta branqueando os corais provavelmente não vai acontecer com a Tridacna, embora que esta precise de mais algas zooxantelas que os corais.

Pode ocorrer de ela não gostar do lugar e não abrir, então basta mudar de local tomando o máximo de cuidado para não ferir sua membrana deixando-a exposta às bactérias. Quando ela gostar do local e estiver tudo ok ela se fixará, através do bisso (pé), que funciona como uma âncora. É bom verificar neste local se não ha presença de caramujos ou ovos destes, antes de colocar no aquário ou em local definitivo. Estes prolongamentos (bisso) ficam na parte de baixo da concha. Uma vez fixa será difícil sua remoção sem feri-la, portanto coloque uma pedra debaixo dela, assim quando precisar pega-lá a pedra virá junto e não vai ferir a Tridacna o que poderá levar a sua morte.

Existem várias espécies de caracóis que predam as Tridacnas, entrando dentro delas, quando abertas, comendo seu tecido. Também podem perfurar seu manto para conseguirem entrarem.

Varios fatores pode levar uma Tridacna à morte, infecção por bactérias, alguns vermes e fireworms, algas. Snails e Paguros também podem atacar a Tridacna, entrando em sua concha, um pouco difícil acontecer, mas convém verificar.

Para resolver este problema basta colocar um peixe, o Wrasse Six Line, também conhecido como Sixline ou Wrasse Sixstripe. Embora possa ser agressivo ele se alimenta de pequenos crustáceos, platelmintos e pragas indesejáveis nas rochas, como bristleworms, e outros alimentos vivos inclusive parasitas dos moluscos. Convém colocar um exemplar pequeno, menor que os outros peixes, pois o Six Line é agressivo quando maior. Este peixe também poderá fazer simbiose com as anêmonas.

Lembrando que as Tridacnas fazem simbiose com as zooxantelas igual aos corais e, da mesma forma, pode ocorrer por alguma razão, a expulsão destas algas simbióticas.

Não coloque uma Tridacna perto de corais, principalmente de LPS, que podem queima-la com seus nematocistos e esta não abrir mais. Se ela for tocada incessantemente por peixes e ficar muito tempo fechada poderá morrer por não conseguir capturar alimento.

Uma das principais causas da morte de uma Tridacna em aquários já estabilizados em que a Tridacna já se encontrava um bom tempo é o ataque de micróbios (infecção bacteriana), a iluminação que perdeu sua eficiência ou caracóis parasitas (Pyramid). Como estes caracóis são minúsculos e de cor clara torna-se difícil visualiza-los, durante o dia ficam escondidos no substrato. As bactérias atacam a Tridacna geralmente quando esta já esta estressada ou doente, quando seu potencial de defesa encontra-se fraco. Como no aquário existem inúmeras bactérias, torna-se difícil encontrar o remédio para esta situação.

Uma vez que estes caracóis entram na Tridacna inicia-se uma reprodução frenética. Ovos são depositados na Tridacna todos os dias e quando eclodirem irão se alimentar do molusco e se multiplicarem também em poucas semanas. Como os ovos são gelatinosos e transparentes é difícil sua visualização. Se você conseguir detectar o problema basta fazer uma minuciosa limpeza do molusco.

Quando a Tridacna fica doente ela permanece aberta, flácida, esbranquiçada, logo após vem à morte, pois é difícil sua recuperação neste estágio, porém não impossível, haja visto que o processo poderá levar dias ou semanas, então o aquarista deverá fazer os respectivos testes e analisar a situação. Também existem outros protozoários, vírus, bactérias capazes de matar uma Tridacna, porém dificilmente serão encontrados no aquário. A única solução para este tipo de ataque é mergulhar a Tridacna em água doce por cerca de 30 minutos. O medicamento Metronidazol também é citado como método de cura muito eficiente.

O fato de as Tridacnas fazerem simbiose com as zooxantelas não significa que elas não necessitam de comida, ou seja, matéria orgânica particulada (MOP), sendo assim quem usa o método de dispersão para alimentar seus animais e corais, as Tridacnas se beneficiam também, pois nos oceanos se alimentam do plâncton. Você também tem que fornecer nutrientes para ela, então tem que alimentar, porque é através da comida que ela vai absorver macronutrientes para sua sobrevivência.

Se você não usa o método de dispersão na alimentação dos seus habitantes do aquário, levar em consideração a sobra de comida oferecida aos peixes, a quantidade de peixes, etc. Os excrementos deixados pelos peixes podem fornecer às Tridacnas fósforo e outros nutrientes. Se você alimenta seus corais com pipeta ou seringa, considerar a sobra. Enfim, quero dizer que de uma forma ou de outra somente as zooxantelas não irão fornecer nutrientes o suficiente para a Tridacna, mas se você alimenta seus peixes ou corais certamente seu aquário contém muitos nutrientes e não precisará alimentar especificamente a Tridacna.

As algas fotossintéticas zooxantelas que habitam a Tridacna lhe fornecem comida sob a forma de carbono e glicose e da água consomem o nitrato, fosfatos, amônia além do seu sistema de filtragem (bombeamento) que retira partículas em suspensão (fitoplâncton, zooplâncton, detritos, etc).

As Tridacnas possuem estômago, rins, gônadas, brânquias, etc. são animais complexos e por este motivo podem ir definhando lentamente por falta de alimento até morrer de fome. Este processo poderá ser lento (meses) e variar de um animal para outro. Às vezes poderá encontrar uma Tridacna morta sem motivo aparente, no entanto pode ser que ela já vinha sofrendo de falta de alimentação por semanas ou meses, principalmente se não tiver nenhum peixe no aquário.

Não se esqueça de que a iluminação ideal para a Tridacna é forte, não é a mesma para corais moles. A iluminação e os parâmetros devem ser baseados para corais LPS ou SPS. A Tridacna Crocea é a mais exigente na iluminação, esta poderá crescer por volta de 1 milímetro por mês, em boas condições. Se sua Tridacna, independente da espécie, não esta indo bem é quase certeza de que a iluminação não está sendo suficiente.



Para alimento de corais, peixes, invertebrados e MUITO MAIS Clic Aqui.