ACARÁ BANDEIRA

Acará Bandeira

Acará Bandeira



PESQUISE ABAIXO SE NÃO ENCONTROU:

ACARÁ BANDEIRA


Em minha opinião o Acará Bandeira é um dos peixes mais bonitos para se ter num aquário, principalmente num aquário plantado (cheio de plantas) mas é claro que para isso devemos observar alguns fatores que irei explanar abaixo.

É um peixe da família dos ciclídeos, que pode ser dividido em três espécies: peixe-anjo altum (Pterophyllum altum), peixe-anjo-lágrima (Pterophyllum leopoldi) e peixe-anjo (Pterophyllum scalare). Vale ressaltar que as espécies vendidas hoje são o resultado de muitas décadas de reprodução seletiva em cativeiro, portanto, qualquer peixe-anjo que você possa comprar provavelmente possuirá genes de mais de uma espécie. Você vai se certificar disto olhando para os diversos tipos de nadadeiras e uma infinidade de cores misturadas ou não, até albinos. Até hoje são mais de 30 variações.

O Acará Bandeira é originário da Bacia Amazônica. Pode chegar aos seus 15 cm quando adulto ou 30 cm quando medido até a barbatana e vive por volta de 10 anos. É um peixe ornamental comercializado no mundo inteiro.

O Acará Bandeira chama a atenção do espectador por sua forma achatada e boca pontiaguda, sua beleza e personalidade. A forma incomum do corpo e os raios dorsal e anal, de comprimentos diferentes e longas fazem com que pareçam um tanto triangulares. Ele acostuma com a mão do dono, sempre esperando que lhe seja oferecida comida, ficam quase sempre no topo do aquário esperando seu alimento, por isto não exagere, dar comida apenas umas 3 ou 4 vezes ao dia em pequenas quantidades, e certificar-se de que outros peixes também aproveitaram.

Vamos ver alguns parâmetros para o Peixe Acará Bandeira: O PH ideal deve ficar em torno de 6.8 a 7.0 – Nível de Dureza é 8 dH- A temperatura ideal para o Acará Bandeira fica em torno de 26ºC. No aquário deverá possuir várias plantas naturais, rochas e troncos, mas também uma superfície plana para desova, pode ser um pedaço de ardósia, telha, mármore, etc. Por falar em desova, eles ficam territorialistas na época de reprodução, por isto o ideal é ter um aquário grande, onde podem dividir seus espaços com outros peixes.
Trocas de Água Parciais semanais de 30% é uma regra geral, e também estimula o acasalamento. Ter bons filtros.

Aos 12 meses de idade o Acará Bandeira estará pronto para reprodução, e a fêmea poderá liberar entre 80 a 500 ovos por acasalamento, e os alevinos devem ser levados para outro aquário onde irão crescer. O ideal é levar os ovos para outro aquário, para que eclodam com segurança, pois as larvas (alevinos) poderão ser comidos pelos pais (raramente) ou por outros peixes. Verifique se os ovos ficaram numa superfície plana como citado acima, e transfira-os. Quando os alevinos começarem a se movimentar fornecer-lhes infusórios e náuplios de artêmia 2 vezes ao dia até a 2ª semana após a eclosão, após isto, oferecer-lhes ração em pó até atingirem a idade em que podem comer a ração idêntica à dos pais, cerca de 30 dias. Observe que para 1 casal o ideal é ter um aquário de no mínimo 75 litros, com iluminação moderada, para que vivam com saúde e se reproduzem com frequencia. A fêmea poderá desovar a cada 15 dias.

O Acará Bandeira é um peixe onívoro, e aceitam muito bem rações industrializadas vendidas no comércio, mas pelo menos uma vez por semana, o ideal é oferecer alimentos vivos, tais como: artêmias; larvas de besouro do amendoim, larvas de insetos, etc., e vegetais (espinafre, cenoura) a fim de estimular a reprodução.

Acará Bandeira

Para um aquário comunitário você poderá colocar outros peixes com o Acará Bandeira, tais como: Tetra Pristella; Rodostomos; Corydoras; Limpa vidros; Labeo frenatus; Paulistinha; Plati e muitos outros. Sempre observar se suportam o mesmo PH e a compatibilidade. Brigas entre os Bandeiras será normal, as vezes por causa de território, outras vezes por disputa de fêmea, mas não chegam a se machucar gravemente.

Sempre colocar bastante plantas naturais, inclusive com folhas largas, onde poderão desovar.

Vendo alguns produtos para aquarismo Comida de Corais