PEIXE PAULISTINHA

Peixe Paulistinha

Peixe Paulistinha



PESQUISE ABAIXO SE NÃO ENCONTROU:

PEIXE PAULISTINHA




Danio é um gênero de peixes teleósteos, da família dos Ciprinídeos. Há várias espécies de Danios, o mais conhecido é o Paulistinha.

O Paulistinha é um peixe indicado para iniciantes do aquarismo, visto que é muito fácil mantê-lo no aquário, é muito resistente. Ter no mínimo seis indivíduos (para um aquário de 80 litros aprox.), porque vivem em cardumes.

Nada por todo o aquário, mas prefere ficar mais próximo à superfícies, é muito esperto. Pode viver de 4 a 5 anos no aquário.

Suas listras horizontais faz lembrar a bandeira paulista, daí seu nome: Paulistinha.

  • Qual o PH ideal para o Paulistinha:
  • É um peixe que suporta grande faixa de PH, podendo viver em água ligeiramente àcida ou alcalina. O PH ideal fica em torno de 6.8 a 7.4. Eu recomendo deixar em 7.2.

  • Qual a temperatura ideal para Paulistinha:
  • Igualmente ao PH o Paulistinha pode viver numa ampla faixa de temperatura, de 20º à 28°graus. Sendo muito importante manter a temperatura estável. Eu recomendo deixar em 25 graus.

O Paulistinha é um peixe pacífico e pode viver num aquário comunitário sem problemas, mas deve-se evitar colocar peixes com nadadeiras longas para não serem mordidas. Peixes muito grandes ou que irão crescer muito poderão fazer do Paulistinha sua comida.

Há uma grande variedade no mercado, eu acho muito bonito o Paulistinha véu. Os mais comuns tem cinco listras horizontais azuis e creme, mas também tem muitas variedades: Paulistinha Ouro; Rosa; Prata e os Glo-fish, que são peixes modificados geneticamente, inclusive são fluorescentes.

Por ser onívoro, come de tudo. Aceita bem rações industrializadas, spirulina, minhoquinhas, flocos, larvas de insetos, dáfnias, artêmia, vermes, crustáceos, etc. O correto é variar o cardápio constantemente, a fim de garantir sua saúde e coloração.

Dificilmente o Paulistinha vai ficar doente, no máximo poderá contrair a Doença do Veludo (que são pontinhos brancos brilhantes) causado principalmente pelas alterações de temperatura da água, motivo pelo qual a temperatura deve ser constante, sem alterações. Mas esta doença é facilmente tratada com Labcon Ictío. Recomenda-se deixar o peixe em quarentena antes de introduzi-lo no aquário, pois pode eventualmente, estar contaminado.

Para ter sucesso na criação do Paulistinha basta seguir algumas regras básicas do aquarismo: Trocas Parciais de Água regularmente; Não alimentar em excesso; PH e Temperatura constante. O ideal é ter bons filtros.

Dimorfismo Sexual: As fêmeas são um pouco maiores que os machos e menos coloridas. As fêmeas tem um corpo mais roliço (gordinhas) enquanto os machos tem o corpo mais retilíneo.

O Paulistinha faz rituais de acasalamento antes e durante a desova, que ocorre após o peixe atingir seus 2 centímetros de comprimento, quando os machos irão disputar pelas fêmeas. O macho irá perseguir a fêmea provocando a liberação dos ovos, que serão imediatamente fecundados. As fêmeas são capazes de produzir centenas de ovos a cada fecundação. O ideal é ter no aquário esconderijos, plantas (pode ser artificial), substrato de cascalho de rio grosso, enfim, chegar próximo ao habitat natural. O substrato grosso irá proteger os ovos dos pais. Nesta fase o mais difícil é garantir que os ovos cheguem ao substrato antes de serem devorados pelos machos ou outros peixes, por esta razão, na fase de reprodução, o correto é deixar o aquário raso de água, em torno de uns 15 centímetros apenas, assim os ovos terão um curto percurso para atingir o “solo”. Após a fêmea parar de soltar os ovos, devem-se retirar todos os peixes do aquário para que os alevinos nasçam com segurança após 48 horas. Você pode alimentar os alevinos com ovos de artêmia sem casca, infusórios e rações específicas para alevinos.

Como podemos notar, é bom ter um aquário reservado apenas para reprodução dos Paulistinhas, assim os alevinos não ficarão a mercê da sorte.

Curiosidades: O peixe tem um banco de dados on-line próprio, onde são depositadas informações genéticas, embriológicas, genômica e do desenvolvimento.

A espécie foi o primeiro vertebrado a ser clonado e uma das poucas espécies de peixe que foram enviadas ao espaço.
Os Danios são alvos dos os cientistas em busca de curar várias doenças nos humanos, saber a origem e desenvolvimento delas. Além do genoma completo sequenciado.

Vendo alguns produtos para aquarismo Comida de Corais